Coisas Mortas

Desumana angústia
Que habita o meu íntimo
Tu que por mim foste criada
Tu, a ilusão dos meus sentidos
A sombra de um passado morto
Lembrança daquilo que se foi
Resquício de tudo que não é

Luz da estrela morta
Que insiste em espalhar teus raios
Sê piedosa de mim!
Não te peço que voltes a brilhar
Nem que faças tu o impossível
Peço-te apenas que me abandone
Na eterna noite de solidão

17.08.14

posted under |

1 comentários:

Maumadori Mídias Digitais disse...

Agora entendo o que escreves....

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Blog Archive

Ocorreu um erro neste gadget

Followers


Recent Comments